Redação JBC viu: Sailor Moon Crystal ep. 01

Sem dúvidas, 2014 é o ano de Sailor Moon. Com o mangá finalmente chegando ao Brasil pela JBC, as unhas dos fãs brasileiros passaram a sofrer por conta da expectativa quanto ao novo animê, Sailor Moon Crystal! E neste sábado, 05 de julho, a espera chegou ao fim, com direito a transmissão mundial simultânea e legendas em português em dois sites diferentes! Tudo que as Guerreiras da Lua merecem.

E como fãs, a galera aqui da Redação JBC também acordou cedinho na manhã de sábado pra não perder a estreia. Confira aqui a opinião de cada um!

Leo Kitsune, assistente de conteúdo e fã da Sailor Jupiter

Gostei do que vi em Sailor Moon Crystal. O novo animê da Toei vai adaptar o plot do mangá com fidelidade, e este primeiro episódio foi a transposição apenas do primeiro capítulo do mangá. Tivemos Usagi desastrada, amiguinhas da escola, a mãe substituta encapetada da Naru, Mamoru de smoking no meio do dia sem razão aparente (pelo menos deram uma melhorada naqueles óculos bregas do mangá) e, claro, o momento que interessa: Usagi se tornando Sailor Moon e salvando o dia com sua Tiara Lunar Bumerangue!

A tentativa aqui, ao que parece, é se diferenciar do animê clássico, que era ligeiramente mais cômico, usando uma abordagem mais “solene”, mais para o lado do drama (a abertura, por exemplo, não é com a Usagi acordando atrasada, como no mangá, e, sim, com os planetas e o “misterioso casal” se beijando em slow motion). Mas, por conta disso, as cenas de comédia (pelo menos para mim) não funcionaram tão bem. O animê pareceu comedido neste aspecto. Mas faz sentido, dentro da proposta.

O character design, uma das grandes polêmicas de Crystal, me agrada muito! Sim, é diferente do que já conhecíamos, mas é moderno e ótimo para apresentar Sailor Moon a um novo público. Gosto muito das cores, principalmente, em tons leves. E não tenho nada contra a animação e o uso de computação gráfica na cena de henshin (mas ainda estou no aguardo da versão curta – parecem uns 5 minutos só de Usagi girando!).

Foi um bom episódio, à altura do clássico. E terminou com a Ami fugindo da chuva (olha a ironia), só pra gente ficar curioso pelas próximas Sailors… Mas só daqui a duas semanas!!

Thiago Nojiri, supervisor de tradução da JBC, que só trabalha de smoking

Muito bom animê! Disputa de igual para igual com outros animês de grande porte.
Fidelíssimo à história do mangá, só que com cenários, efeitos visuais e movimentação (os quais não têm no mangá).
Ficou muito bonito visualmente, deixando a forte impressão de que é algo “bem feito”, com linhas grossas e cores chapadas. Torna o conjunto algo “fácil de assistir” para todos, inclusive crianças ou quem não conheceu a versão antiga.
A computação gráfica contribuiu e muito para tal resultado, ela é mesclada ao desenho na medida certa, principalmente para os acessórios e efeitos visuais. A cena do henshin, inteiramente em CG, ficou espetacular, dando aquele “quê” de longas de desenho animado. Visualmente, pelo menos deste primeiro episódio, estou seguro em dizer que os produtores foram felizes em fazer de Sailor Moon Crystal um autêntico animê da nova geração, usando de todos os recursos que dispunham.

Dito tudo isso!
O maior destaque do primeiro episódio é, sem dúvida, a voz da Usagi, Kotono Mitsuishi!
Uma atuação segura e experiente que inspira confiança, agora com muito mais tonalidades de voz do que da versão anterior.
Lembrando que a personalidade da Usagi do animê antigo é diferente da Usagi dos mangás e, para o Crystal, a Mitsuishi conseguiu fazer a “Usagi mangá” com uma boa pitada do que era a “Usagi do animê antigo”.
Nas partes cômicas, a Mitsuishi fez o certo: não é para a pessoa dar risada da situação, e sim, da Usagi. O engraçado não é o que acontece, mas é como a Usagi age e reage.

Conjunto final ficou excelente, mas se tiver que falar algo de “menos bom”, seriam as músicas de abertura e encerramento.
Poderiam ser menos J-Pop e mais Anison!

Renata Leitão, assistente editorial e fã da Sailor Saturn

Bem, nem tenho muito o que falar sobre a qualidade do animê. Achei que foi muito bem “transformado” em animê atual, tanto nas cores como na questão da animação propriamente dita.

O CG do henshin está muito bom, não ficou deslocado, e ainda resgatou o henshin original – apesar de, para mim, a trilha não favorecer a cena: a anterior era mais animada e, ressaltando novamente que é algo pessoal, criava toda uma sensação de “uhulll! Sailor Moon tá vindo pra salvar o dia!!! Já era, monstrengo!!”.
A única ressalva sobre a animação é: o cabelo da Usagi. Sim, no mangá o cabelo também é esvoaçante, mas há um propósito nisso: dar noção de movimento. No animê, a impressão é de que ou o cabelo tinha vida ou ele estava constantemente desafiando a gravidade, planando em redor da Usagi.

A voz da Usagi/Sailor Moon está incrível – já é de rir muito ao ouvi-la nos momentos cômicos- e como bem disse o Thiago, mérito total da dubladora. Havia esquecido como a voz original da Usagi é boa, naturalmente engraçada e dramática, sem ser irritante.

Sobre a trilha sonora: admito que senti falta de Moonlight Densetsu – achei a música da abertura um pouco estranha e, se for entrar no mérito de “vamos deixar o passado para trás”, ela é bem abaixo da música do live-action, por ex. (sim, eu assisti!), que é bem mais cativante.

E, finalmente, sobre as legendas. Digo que são honestas. Claramente se vê que tanto Crunchy como Niconico usaram a mesma tradução-fonte para as legendas, havendo apenas algumas diferenças entre elas. Um exemplo é a fala da mãe da Usagi ao se despedir dela, que aparenta ser uma tradução literal do inglês e foi corrigida no Crunchy. Outro ponto incômodo da tradução foi o Motoki chamando Usagi de “senhorita”, o que ficou muito impessoal em português. Esse termo estava em ambas legendas.
Também percebe-se que foi consultada a tradução da JBC ao se utilizar os termos “Transformar” (“Make Up”), “Lendário Cristal de Prata” (“Maboroshi no Ginsuishô”) e “Cabeça de coques” (“Odango Atama”). Como em toda tradução, há um outro momento discutível (o momento da Luna explicando para Usagi qual era a sua missão, por ex., e o “Prisma Lunar” virar “Prisma Luna”), mas nada que prejudique a compreensão total do plot.

Cassius Medauar, editor da Lua

Gostei muito do primeiro episódio de Sailor Moon Crystal. Bem fiel ao mangá, animação bacana e atual e uma bela roupagem nova para o clássico Sailor Moon.

E para mim, que sou de uma época que víamos desenhos animados sem nem saber de onde tinham vindo, muito menos que se chamavam animê, é simplesmente espetacular poder assistir à estréia do desenho simultaneamente ao Japão pela internet. E com legendas e português feitas pelos japoneses. E ainda baseadas na nossa tradução do mangá.
Foi, sem dúvida alguma, um momento histórico.

E se tivesse que escolher apenas um melhor momento, seria a cena da transformação. Ficou simplesmente espetacular. Pra deixar até o mais cético dos fãs arrepiado.
O duro será esperar sempre duas semanas pelo próximo episódio… (ainda bem que posso trabalhar no mangá enquanto isso).

Share

Redação Henshin!

Redação do Site Henshin! e dos Mangás JBC

Você também pode se interessar por: